• revistasalasolidar

Modificações Corporais e Diversidade Sexual: da Rebeldia do Corpo às Nossas Áreas de Trabalho



Percorremos um longo caminho como sociedade (pelo menos sociedade ocidental), desde, por exemplo, Stonewall até hoje. Parece que avançamos em termos de direitos LGBTQIA+ e que hoje a queeridade se estabelece como um discurso cada vez mais difundido.

Embora no discurso, na mídia e nos telões possamos ver mais representatividade da comunidade LGBTQIA+, e vários direitos tenham sido "conquistados", as pessoas que se identificam com conceitos construídos fora do binarismo e da heteronormatividade ainda têm que enfrentar diferentes problemas de discriminação, violência, perseguição, exclusão dos espaços de trabalho, e diariamente muitos devem esconder sua identidade, sua expressão de gênero e gostos para se integrar ao resto da sociedade, conseguir emprego, estudar e basicamente sobreviver. Essa violência simbólica, de ter que esconder a maneira como você se expressa não deve ser vista levianamente, o desgaste emocional, espiritual e até físico de esconder sua identidade diariamente deteriora a saúde mental de quem está exposto a ela Isso, desencadeando problemas como altos índices de suicídio na comunidade LGBTQIA+, principalmente no caso de pessoas trans.

Nesse cenário, poderíamos dizer que sair para o mundo exterior expressando sua própria identidade, fazendo parte da comunidade LGBTQIA+ é um ato político de resistência. Trata-se basicamente de desarmar esse mecanismo de coerção dos corpos, a heteronormatividade que controla a sociedade e nos submete a determinados papéis baseados no gênero binário.

Identidades disruptivas e dissidentes muitas vezes tomam diferentes elementos para construir uma estética anti-hegemônica. Não só as roupas, mas também as cores e estilos de cabelo, tatuagens, piercings e também modificações corporais. Não surpreende que um dos berços do body piercing tenha sido a comunidade LGBTQIA+, que décadas atrás teve que encontrar formas de construir uma comunidade forte para se refugiar e várias formas de resistência. Em última análise, essas manifestações corporais de identidade têm sido, ao longo da história humana, uma forma muito importante de vincular uma comunidade e fortalecê-la.

A contribuição da comunidade LGBTQIA+ para o mundo da body art é imensa, e devemos nos lembrar de valorizá-la como tal. Antes que a indústria de tatuagens e piercings e body art em geral fosse uma indústria como tal, -e as práticas fossem sanitizadas e padronizadas-, as modificações corporais eram um bastião de revolução, resistência e expressão em muitas subculturas. Embora se deva supor que a comunidade de body art não seja discriminatória ou ofensiva em relação à comunidade LGBTQIA+ e tendo em conta que muitos tatuadores e artistas de piercings e piercings pertencem à comunidade LGBTQIA+, ainda podemos perceber certos preconceitos, discriminações e micro- violências às quais não devemos retirar o peso. Não é necessário bater ou assediar fisicamente para exercer a violência. Fazer comentários zombeteiros ou maliciosos sobre a identidade de alguém, rir pelas costas dos colegas por causa de sua identidade de gênero, não respeitar os pronomes ou assumi-los, e não se importar em respeitar a identidade dos outros, não apenas dos colegas, mas das pessoas que confiam em nossas mãos para decorar seu corpo. Todas essas pequenas coisas são muito importantes quando revisamos seu conteúdo simbólico, e cabe a nós mudá-lo dia a dia em nossos comportamentos e atitudes. Embora tenhamos normalizado essas atitudes e formas de pensar porque nossa educação e formação ainda são heteronormativas, quem se dedica à arte corporal deve ter em mente que as modificações corporais, apesar de hoje mais normalizadas e também serem uma oportunidade de trabalho, sempre estiveram ligados à dissidência e são também um mecanismo para se revelar à sociedade e se diferenciar ou identificar uma comunidade, da mesma forma que a queeridade é um mecanismo anti-hegemônico que busca desconstruir a heteronormatividade. É necessário nestes tempos de convulsão e mudança social, o questionamento constante de nossas práticas e privilégios, dar lugar a formas de relacionamento mais empáticas e respeitosas.





A opinião do colunista não é necessariamente uma opinião do Coletivo Sala Solidária.

--------------------------------------------------

Lia Samira (Santiago, Chile)

Perfuradora corporal no Pain Family .

59 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo